So why aren't you a member? Join up!
This is a guest message and you can easily put whatever you want here to get potential members to join up. The text can be changed in seconds using the settings file. This message will only appear to guests but can be turned off completely if so desired.
Stawer

Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Hérois da DC - #1 Batman

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Hérois da DC - #1 Batman em Qua Jul 29, 2015 1:00 am

Back

avatar
Amador

Amador
Batman é um super-herói fictício da banda desenhada norte-americana publicada pela DC Comics. Batman foi criado pelo artista Bob Kane e pelo escritor Bill Finger, e apareceu pela primeira vez na revista Detective Comics #27 (Maio de 1939). Originalmente com o nome "o Bat-Man", o personagem também é conhecido por vários epítetos como "o Cruzado de Capa" (the Caped Crusader),4 "o Cavaleiro das Trevas" (the Dark Knight),4 e "o Maior Detective do Mundo" (the World's Greatest Detective).4
A identidade secreta de Batman é Bruce Wayne, um bilionário americano, playboy, magnata de negócios, filantropista e dono da corporação Wayne Enterprises. Depois de testemunhar o assassinato dos seus pais enquanto criança, Wayne jurou vingança contra os criminosos, um juramento moderado por um sentido de justiça. Wayne treina-se então a si próprio, tanto física como intelectualmente, e cria uma persona inspirada no morcego para combater o crime.5 Batman opera na cidade fictícia de Gotham City, e é ajudado por outros personagens incluindo o seu mordomo Alfred Pennyworth, o comissário da policia Jim Gordon, e outros aliados vigilantes como Robin. Ao contrário da maior parte dos super-heróis, Batman não tem superpoderes; faz uso do seu intelecto de génio, da sua perícia em artes marciais, da sua destreza física, das habilidades de detective, da ciência e da tecnologia, da sua riqueza, da sua provocação ao medo e intimidação, e uma vontade indomável na sua guerra contínua contra o crime. Uma grande variedade de vilões compõem a galeria do Batman, incluindo o Joker, o seu arqui-inimigo.
Batman tornou-se popular assim que foi apresentado, acabando por ganhar a sua própria revista de banda desenhada em 1940, Batman. Enquanto as décadas progrediram, foram surgindo divergências sobre a interpretação da personagem. No final dos anos de 1960 a série de televisão Batman usava uma estética camp, que continuou a ser associada ao personagem durante muitos anos, mesmo depois da série ter acabado. Vários criadores trabalharam no sentido de trazer de novo o personagem de volta às suas raízes sombrias, culminando com The Dark Knight Returns (1986) de Frank Miller, seguido por Batman: The Killing Joke (1988) de Alan Moore, e Arkham Asylum: A Serious House on Serious Earth (1989) de Grant Morrison. O sucesso dos filmes Batman da Warner Bros. ajudaram a manter o interesse do público na personagem.6
Um ícone cultural americano, Batman já foi licenciado e adaptado para uma grande variedade de media, desde a rádio à televisão e em filmes, e aparece em vários artigos de retalho por todo o mundo, como em brinquedos e nos videojogos. O personagem tem também intrigado os psiquiatras com muitos a tentar entender a sua psique. Em Maio de 2011, Batman ficou em #2 no Top 100 da IGN dos "Melhores Heróis de Sempre da Banda Desenhada", depois de Superman.7 A revista Empire também colocou-o em #2 na sua lista dos "50 Melhores Personagens da Banda Desenhada".8 Batman já foi interpretado tanto no cinema como na televisão por Lewis Wilson, Robert Lowery, Adam West, Kevin Conroy (apenas voz), Michael Keaton, Val Kilmer, George Clooney, Christian Bale, e brevemente por Ben Affleck.

A polêmica sobre a autoria

O desenhista Bob Kane é oficialmente creditado como o criador do Super-herói. Fã da cultura vampiresca, especialmente das histórias ligadas ao personagem conhecido como Drácula, Kane imaginou um herói baseado no mesmo, com roupas negras. Porém é amplamente aceito que o escritor Bill Finger foi tão decisivo na formação de pontos chaves do mito, que muitos o consideram um cocriador. Foi Finger que deu ao personagem o formato que o consagrou. Ainda concorrem com Kane e Finger, o desenhista Frank Foster II, artista ligado a indústria de publicações de Nova Iorque na Década de 1930, uma vez que ele apresentou publicamente desenhos de um personagem chamado Batman, esteticamente muito similar ao personagem em discussão. Tais desenhos, anteriores a 1939, foram considerados autênticos pela DC Comics.

Artistas de maior destaque

Com histórias em quadrinhos publicadas ininterruptamente desde maio de 1939, passando por várias revistas diferentes, Batman já teve aventuras criadas e desenhadas por muitos artistas. No entanto, alguns artistas, ou devido à importância de determinada história clássica, ou pela contribuição que tiveram pra enriquecer o universo do personagem, ou até mesmo, simplesmente, pela grande quantidade de anos e histórias em que trabalharam com ele, ganharam maior destaque e são sempre lembrados pelos fãs/leitores, ou mesmo pela crítica especializada.
Entre eles destacam-se Bob Kane, Bill Finger, Jerry Robinson, Dick Sprang, Sheldon Moldoff, Neal Adams, Dennis O'Neal, Marshall Rogers, Doug Moench, Frank Miller, Jim Aparo, Alan Grant, Norm Breyfogle, Chuck Dixon, Graham Nolan, Jim Lee, Grant Morrison, Frank Quitely e Alan Moore.

História editorial

Oficialmente, o super-herói Batman foi criado em 1939, por Bob Kane, sob encomenda da DC Comics, a qual, na esteira do sucesso estrondoso do Superman, o primeiro super-herói da história dos quadrinhos, encomendou o novo super-herói9 . Hoje em dia se reconhece, no entanto, que o personagem teria sido idealizado originalmente ainda em 1932, por Frank Foster, o qual ofereceu sua criação à editora, mas esta não teria se interessado10 . Bob Kane teria criado o visual e a ideia original de um super-herói sem poderes, um detetive, que trabalharia nas trevas, em histórias sombrias. Mas foi o roteirista Bill Finger quem deu o formato definitivo do personagem ao longo da década seguinte, definindo seu caráter, o estilo de suas histórias e personagens, assim como vilões e locais clássicos do universo do personagem.
As histórias em quadrinhos eram, a princípio, voltadas a um público mais jovem, e tinham um caráter recreativo. Por isso, Finger fez do Homem-Morcego um personagem que não mata nem usa armas de fogo. Logo, adicionou o personagem Robin, primeiro sidekick ou parceiro mirim de um super-herói de quadrinhos. Robin era uma criança alegre e multicolorida, para quebrar o clima muito sombrio das primeiras histórias. Ainda na década de 1940, criou-se a cidade fictícia de Gotham City, para ambientar as histórias do personagem e se permitir uma maior liberdade criativa, além de refletir o clima sombrio/noir de suas histórias.
Ainda nessa fase chamada Era de Ouro dos Quadrinhos, o trio criativo do personagem, Kane, Finger e o arte-finalista Jerry Robinson, criou uma galeria de vilões formada por personagens geralmente sem superpoderes, marcados pela loucura e psicopatia. Assim, criou-se Coringa, Mulher-Gato, Pinguim, Duas-Caras, Charada, Espantalho, Chapeleiro Louco, Cara de Barro e Hugo Strange.
A ascensão da indústria de gibis11 de super-heróis nos Estados Unidos esteve profundamente ligada ao ambiente provocado pela Segunda Guerra Mundial. Com o fim do conflito, a indústria caiu dramaticamente. Apenas Batman, Superman, Mulher Maravilha e Capitão Marvel conseguiram continuar ininterruptamente a venda de suas revistas pelo período posterior. Batman e Superman foram se firmando como The World's Finest, Os Melhores do Mundo. Começou assim a era dos encontros entre heróis e personagens de revistas diferentes, nascendo o conceito de Universo Editorial, no caso, o Universo DC, e a produção de crossovers.
A Década de 1950 foi marcada por dois fatores decisivos: a Guerra Fria e a admiração e espanto do público em geral pela tecnologia, especialmente bélica e espacial. A Guerra Fria, a qual opôs os americanos capitalistas e a União Soviética socialista ocasionou uma perseguição, dentro dos Estados Unidos, a qualquer pessoa, instituição ou publicação que soasse comunista, e portanto, traidora dos valores americanos. Esse movimento, liderado pelo congressista McCarthy foi conhecido como Macartismo. As histórias em quadrinhos foram só mais um setor que foi pressionado e influenciado pelo Macartismo, o qual impôs que as histórias passassem a ser mais infantilizadas, simples, evitando qualquer assunto mais sério, polêmico ou de cunho social, pois se cria que comunistas poderiam estar semeando críticas e oposição ao capitalismo. Assim, nesse momento de infantilização forçada, surgiram personagens como Ace, o Bat-cão, o Bat-mirim e a Batwoman.
Paralelamente, o momento de avanços tecnológicos e científicos que o público assistia, espantado, influenciou profundamente o tipo de roteiros que se escrevia para os personagem nesta década. Super-heróis com poderes e origens com explicações pseudo científicas, como o Lanterna Verde Hal Jordan, e o Flash Barry Allen são dessa época, substituindo versões antigas e mágicas desses heróis. Essa nova geração, com um novo estilo de histórias, levou a uma "atualização" dos personagens antigos, como o próprio Batman, sendo que este novo personagem atualizado era um tanto diferente do original. Isto provocaria reverberações na década seguinte. O vilão criado nesse período que obteve maior destaque foi o Senhor Frio. O grande artista por trás das revistas do Cavaleiro das Trevas nesse período foi Dick Sprang.
As histórias do Batman prosseguiram neste estilo durante a Década de 1960. Data desse período a estreia de Hera Venenosa e do Superman Composto. Nessa década, Batman ganhou grande projeção devido à estreia e sucesso do clássico seriado cômico de televisão, estrelado por Adam West e Burt Ward. Por sinal, foi por exigência dos produtores do seriado, que se criou nos quadrinhos a segunda (e definitiva) versão da personagem Batgirl, além de se ressuscitar o personagem Alfred Pennyworth, morto nos quadrinhos há algum tempo12 . Um fato decisivo não só para o Cruzado de Capa, mas para todo Universo DC, foi a implementação do conceito de Multiverso. Como dito anteriormente, versões atualizadas de personagens antigos foram inseridas durante a Década de 1950. Na década seguinte decidiu-se que os personagens originais ainda existiriam, vivendo paralelamente aos atuais, de forma independente, como se houvesse várias versões do mesmo mundo e dos mesmos personagens. Assim, existia o Universo do Batman ativo, mas também um universo do "Batman original". Isso valeria até Crise nas Infinitas Terras, e seria trazido de volta após Crise Infinita.
A Marvel Comics acabou influenciando profundamente novos rumos nos roteiros do personagem. As histórias mais adultas e caráter dúbio dos personagens da editora concorrente, como o Homem Aranha e o Hulk,e seu sucesso crescente durante a Década de 1970, levaram a DC Comics a repensar sua linha editorial, o que ajudou o Batman a sair da sombra limitativa que o Macartismo impunha aos roteiristas. As histórias do personagem passaram então a ser produzidas pelo roteirista Dennis O'Neal, pelo desenhista Neal Adams e pelo arte-finalista Dick Giordano, trio o qual criou histórias que traziam o personagem e seu mundo de volta ao estilo detetivesco e sombrio original. Na verdade, a dupla lançou a base do bat-universo e das histórias dos personagens, os quais duram até a atualidade. Assim o super-herói seguiu durante a Década de 1970. Data desse período a criação dos vilões Ra's Al Ghul, Talia al Ghul e Morcego Humano.
Uma questão que foi se consolidando, especialmente desde esta década até a Década de 1980, foi a Continuidade Cronológica, isto é, as histórias e o mundo onde elas ocorrem vão ganhando um grau de realismo e seriedade que é irreversivelmente adicionado e imposto a elas, como, por exemplo, o envelhecimento dos personagens e a sequência histórica de fatos, de modo que os fatos e acontecimentos anteriores fazem parte de uma cronologia lembrada e respeitada (no começo, não se respeitava muito essa questão de lógica e concatenamento cronológico de histórias e acontecimentos ocorridos nelas). Assim, o Robin Dick Grayson, que já havia se tornado adolescente e se distanciado de Batman, agora se tornou adulto, separando-se em definitivo da Dupla Dinâmica, assumindo a identidade de Asa Noturna. Logo os roteiristas decidiram por trazer de volta o personagem Robin, com um novo personagem, Jason Todd. Datam dessa época os vilões Máscara Negra e Crocodilo.
Ainda nos Anos 80 a DC Comics decidiu que iria submeter seus personagens e suas histórias à Continuidade Cronológica, além de pôr termo ao confuso conceito de Multiverso e Terras Paralelas, com suas inúmeras variações dos mesmos personagens, até por considerar que tantos universos paralelos independentes pra que escritores e leitores lembrassem e respeitassem, acabavam por estrangular cada vez mais a liberdade criativa dos escritores. Assim, na maxi-série Crise nas Infinitas Terras, o Batman teve todas as suas múltiplas versões paralelas anteriores abandonadas. Os roteiristas dos personagens, inclusive do Batman, teriam plena liberdade para reescrever totalmente a origem dos personagens, as características do Bat-verso, e aproveitar apenas o que lhes interessasse das histórias existentes até então. Essa situação editorial produziu algumas das melhores histórias em quadrinhos da história, tanto dando uma conclusão às versões anteriores dos personagens, como dando uma nova origem à versão atualizada deles. Assim foram escritas e publicadas histórias como O que aconteceu ao Homem do Amanhã e o clássico O Cavaleiro das Trevas. Escrita por Frank Miller, essa história, a qual descreve uma versão definitiva do caráter, motivações e da importância e significado do Batman. Esta nova fase do morcego é fortemente influenciada pelas histórias do Demolidor, já que Miller tinha trabalhado bastante no personagem antes de escrever O Cavaleiro das Trevas. Na esteira dessa publicação, outras histórias definitivas foram lançadas, como Batman: Ano Um, também de Miller, reescrevendo a origem definitiva do personagem; e, alguns anos depois, A Piada Mortal, de Alan Moore, que conta a história definitiva do Coringa.
A Década de 1980 ficou conhecida como Era Plutônio dos Quadrinhos, pois, influenciado pela Continuidade Cronológica, e buscando se aproximar da realidade dos leitores, acabou tornando os roteiros mais violentos e adultos, apresentando em quantidade e qualidade cada vez maior, violência e mortes de personagens. Assim, o Coringa deixou paraplégica a Batgirl original, Bárbara Gordon, em A Piada Mortal, antes de espancar com um pé de cabra o Robin Jason Todd e, por fim, matá-lo com uma explosão na saga Morte em Família. Isto ocorreu porque o segundo Robin, substituto do original Dick Grayson , tinha uma personalidade e estilo diferentes do original, as quais não agradaram boa parte do público de leitores. Assim a DC Comics decidiu dar aos próprios fãs/leitores a oportunidade de escolher se queriam que o parceiro mirim continuasse ou se ele seria morto. Através de votação por telefone, foi escolhida a morte de Jason Todd, com vitória por apenas 72 votos. Nessa época, destacou-se como desenhista das bat-revistas Jim Aparo.
Comemorando os 50 anos da criação do herói em 1989, foi lançado nos cinemas o longa metragem Batman, O Filme, o qual alcançou grande sucesso principalmente graças à atuação memorável de Jack Nicholson como o Coringa.
A partir da Década de 1990 os personagens de quadrinhos americanos, e o Batman entre eles, começaram a passar por mudanças drásticas e acontecimentos dramáticos em suas vidas em uma profusão muito alta. Os personagens DC vinham decaindo em vendas, além de sofrerem com a visão estereotipada de que seus personagens e histórias eram, na prática, uma eterna repetição (O Superman sempre amou Lois Lane desde os anos 40, mas nunca nem namorou ela; o Batman sempre prendia os vilões ao fim da história, mas estes sempre fugiam, e assim se repetia o mesmo ciclo há mais de meio século). Tentando atrair novos leitores e mudar essa imagem, a DC decidiu provocar mudanças drásticas em alguns personagens. Assim, o Lanterna Verde Hal Jordan teve sua cidade (Coast City) destruída. O mesmo ocorreu com a Tropa dos Lanternas Verdes e, por fim, Hal tornou-se um vilão e foi substituído por um outro personagem. O Superman foi simplesmente morto.
Com o Batman, o trio de roteiristas Doug Moench, Graham Nolan e Alan Grant, capitaneados pelo agora editor Dennis O'Neal, criaram a longuíssima saga A Queda do Morcego, a qual durou praticamente dois anos. Nela, Bruce Wayne passou a sofrer com Estresse. Foi criado o vilão Bane, o qual, explorando este momento, deixou o herói paraplégico. O super-herói Batman foi substituído por Jean Paul Valley, que modificou totalmente o uniforme clássico, foi extremamente violento e, por fim, permitiu a morte de um vilão. Ao fim, Bruce Wayne, curado, tomou de volta o capuz do morcego.
O Herói tornou-se o mais rentável da editora, sendo produzidos filmes milionários estrelados por ele, ao mesmo tempo em que era o líder de vendas entre a revistas. Personagens coadjuvantes como Robin, Mulher Gato e Azrael ganharam revistas próprias. E nos quadrinhos Coringa ganhou até uma namorada: Arlequina (Dra. Harleen Quinzel). Um fato histórico foi o crossover DC versus Marvel/Marvel vs DC, o sonhado e aguardado por décadas encontro e confronto entre os maiores super-heróis da DC Comics e da Marvel Comics. Nele Batman enfrentou e, graças a uma votação direta dos fãs, derrotou o Capitão América.
O personagem passou por variadas mudanças nos anos seguintes, com heróis clássicos passando por substituições temporárias, como o próprio Batman, Robin, Batgirl e até o Comissário de Polícia de Gotham. Entre várias maxi séries, destaque para Batman: Contágio, Batman: A Vingança do Demônio e Batman: Terremoto que mostraram a destruição de Gotham City após pestes de Virus Ebola, e um Sismo avassalador, culminando na saga Batman: Terra de Ninguém, quando Gotham, destruída, é apartada do resto dos Estados Unidos, caindo em um estado de caos social, guerra de gangues e guerra de sobrevivência.
O super-herói sempre estreou muitas histórias paralelas à cronografia mensal oficial, desde histórias da série Batman: Túnel do Tempo, onde ele era imaginado em outras épocas e situações; assim como em histórias mais adultas, de temáticas mais pesadas, com no título Um Conto de Batman. Entre tantas histórias não necessariamente oficiais, destacou-se o trabalho de Jeph Loeb e Tim Sale que produziram , entre outras, Batman: Dia das Bruxas, Batman: Vitória Sombria e a aclamada por critica e público leitor Batman: O Longo Dia das Bruxas, que conta a origem definitiva do vilão Duas Caras.
Na primeira década do Século XXI, o destaque foi o desenhista Jim Lee tendo assumido o lápis das histórias do personagem. Outro grande destaque foi quando o roteirista Grant Morrison assumiu as histórias do "Dono da Noite", trazendo de volta características antigas abandonadas do personagem, como seu filho Damian Wayne e uma comunidade de "Batmen" espalhados por outros países. Grant, por fim, escreveu as maxi séries Batman R.I.P. e Crise Final, que trazem a morte de Bruce Wayne. Na verdade, desde que o parceiro infantil surgiu na Década de 1940, era esperado e imaginado o dia em que o eterno primeiro Robin, Dick Grayson, assumiria em definitivo sua herança e destino como Batman. Mais tarde, Bruce foi "ressuscitado". Entre os vilões surgidos nessa época, destacou-se Silêncio.
Por fim, na Década de 2010, a DC Comics fazer um novo "reboot", a Maxi Série Os Novos 52, com os mesmos objetivos de Crise nas Infinitas Terras, quais sejam, atualizar personagens e atrair leitores. Assim Batman teve sua origem e história n

Ver perfil do usuário

2 Re: Hérois da DC - #1 Batman em Qui Jul 30, 2015 2:35 pm

Cara! é o batman, ele sempre vai ser o mais foda

Ver perfil do usuário http://www.lucalexandre.net

Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum